Kraftwerk Vence Caso de Sample Sem Permissão Após 20 Anos

0
22

Os pioneiros alemães do electro-pop Kraftwerk ganharam uma longa batalha de direitos autorais em um clipe de dois segundos do seu título de 1977 Metal On Metal.

O Tribunal de Justiça Europeu decidiu que os músicos não podem “samplear” os discos de outros artistas sem autorização.

Em 1999, a Kraftwerk intentou uma acção judicial contra os produtores de hip-hop Moses Pelham e Martin Haas pela canção de Sabrina Setlur Nur Mir (Only Me).

A decisão do TJCE poderá ter enormes implicações para a indústria musical.

A decisão de segunda-feira significa que qualquer reprodução de uma amostra de som retirada de uma gravação existente deve ser autorizada pelo produtor original.

Ralf Hütter do Kraftwerk e Florian Schneider-Esleben são creditados como produtores de Metal On Metal, uma faixa de seu álbum Trans-Europe Express.

Mas o TJCE decidiu igualmente que a utilização de uma amostra modificada que não fosse reconhecível a partir do original poderia ser utilizada sem autorização.

O argumento do Kraftwerk centra-se numa curta sequência de loops de bateria na canção de Setlur.

Em 2012, o Tribunal Federal de Justiça da Alemanha decidiu que a música de Setlur não deveria mais ser promovida, reconhecendo com Hutter que ela constituía uma violação de direitos autorais.

Mas em 2016, o Tribunal Constitucional Alemão – o mais alto tribunal do país – decidiu que o impacto no Kraftwerk não superou a “liberdade artística”.

O caso foi então apelado para o TJE.

Florian Drücke, presidente da União dos Músicos Alemães BVMI, declarou que o TJE “deixou claro que um fabricante de fonogramas tem o direito de autorizar ou proibir a reprodução de seu fonograma e, sob certas condições, sequências de áudio muito curtas contra o uso por terceiros”.

Mas acrescentou que o tribunal tinha também criado “critérios relativos ao momento em que a amostragem é abrangida pelo âmbito de aplicação da liberdade de arte”.

“A interpretação dos novos critérios do TJE será discutida”, prosseguiu.

Enquanto isso, de acordo com The Wrap, Meatloaf resolveu outro caso de direitos autorais sobre seu sucesso, I Would Would Would Do Anything For Love (But I Won’t Do That).

O caso foi inicialmente apresentado em 2017 em um tribunal federal da Califórnia pela Enclosed Music, que argumentou que o título copiou a canção 1989[I’d Do] Anything for You de Jon Dunmore Sinclair e Mike Molina.

Os detalhes do acordo não foram divulgados.

Além disso, um tribunal americano decidiu que Katy Perry tinha copiado sua música de 2013 Dark Horse de uma música rap cristã.

Perry testemunhou no julgamento de uma semana, negando que ele já tinha ouvido a música Joyful Noise by Flame em 2009 antes de gravar sua música.

Ela ainda se ofereceu para tocar Dark Horse para o tribunal quando seus advogados não podiam tocar a música para os jurados por causa de um sistema de alto-falantes defeituoso.

O júri decidiu contra Perry na segunda-feira.

Deixe uma resposta