Início Notícias Empresa de Biotecnologia diz que imprimiu um mini coração em 3D

Empresa de Biotecnologia diz que imprimiu um mini coração em 3D

Há uma escassez em doadores de órgãos nos Estados Unidos – uma situação aterradora para as centenas de milhares de pacientes em listas de espera para transplantes. Mas uma nova tecnologia tem a chance de um dia tornar o órgão do doador obsoleto.

O grupo de biotecnologia Biolife4D, sediado em Chicago, afirma ter impresso em 3D um coração humano miniaturizado – câmaras, ventrículos e tudo mais. Apesar de ainda estar longe, o objetivo a longo prazo é imprimir corações humanos em escala real que podem ser transplantados em pacientes humanos, como trocar a pilha de um relógio.

A empresa usou um bioink proprietário – a empresa o descreveu como “similar em propriedades à gelatina” – que foi projetado a partir do zero para replicar biomateriais humanos reais.

Uma vez totalmente impresso, o coração foi transferido para um biorreator que imita as condições do corpo humano, ajudando as células a se fundirem em tecido.

É um dos muitos avanços recentes na tecnologia de bioimpressão 3D. Um laboratório israelense da Universidade de Tel Aviv fez manchetes em abril com seu coração impresso em 3D, igualmente miniaturizado, que usa as próprias células do paciente. A mídia israelense afirmou que foi o “primeiro coração impresso 3D do mundo” de seu tipo.

De acordo com a Biolife4D, o que distingue o seu próprio coração miniatura é o seu funcionamento interior. Possui quatro câmaras internas principais e outras estruturas, como válvulas, que são normalmente encontradas dentro do coração humano.

Apesar dos avanços, o mini coração está longe de estar pronto para ser transplantado. E ao invés de garantir a sobrevivência de um paciente humano, o mini coração pode se tornar uma ferramenta viável para testes de cardiotoxicidade – o estudo de como tratamentos medicamentosos e medicamentos podem danificar os músculos do coração.

Na verdade, foi para isso que ele foi projetado em primeiro lugar. De acordo com Ravi Birla, Chief Science Officer da BIOLIFE4D, o coração representa a “primeira oportunidade potencial da empresa para mover a incrível tecnologia para o mercado”.

A empresa já está planejando ampliar a produção para eventualmente bioimprimir um coração humano de tamanho normal. Mas isso pode ser muito mais complicado do que parece, pois exigiria que vários tipos de células fossem entregues em diferentes regiões – um processo que poderia exigir o desenvolvimento de “tintas adicionais”, de acordo com Birla.

A Biolife4D ainda tem muito trabalho a fazer antes de poder transplantar com sucesso o seu coração impresso em pacientes humanos ou animais. Porque afinal, como diz Birla, “a barra que deve ser cumprida para sobreviver em um animal por sua vida é maior do que a barra para bioengenharia um mini coração para ser usado para testes de cardiotoxicidade”.

Caion Alves
Diretor geral do Central Blogs e da rede Brasmarketing de conteúdo digital.

Deixe uma resposta

+ Recentes

+ Populares